Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Capítulo 2

por Dady, em 31.01.09

Oláá.

O blog está tãão giro *-*

Foi a minha Ju que fez . Opá não paro de me babar! *.*

Ah.. e um pequeno aviso: o Robert vai entrar na fic sim, mas o personagem principal é o Joe. O cabeçalho tem o Robert porque era o mais giro dos 3 cabeçalhos que a Ju me fez . Não confundam! ^^

_____________________________________________________

 

 

    Eram apenas oito horas da manhã e já ouvia Sr.ª Cussler chamar-me.
    - Eu desço já! – gritei. Arrepiei-me ao ouvir a minha voz ecoar pelas paredes do meu quarto.
    Demorei mais alguns minutos na cama, a contorcer-me para descontrair os músculos. Empurrei os cobertores para trás, a ponto que ficassem em cima da minha cintura. Deitei-me de barriga para cima com as mãos na nuca e sorri sob o dia anterior. Deixei-me adormecer.
    Um raio de sol atingiu-me os olhos e, logo a seguir, uma sombra se colocou entre mim e o sol.
    - Eu disse que já ia, senhora. Não precisava de vir cá acima! – protestei ainda com os olhos fechados.
    - Se calhar, precisava, menina Candyce Cussler! – ri-me. Era Joe e não Sr.ª Cussler. Conhecia a sua voz em qualquer lado que fosse.
    Sentei-me na cama, puxando os cobertores para tapar o meu corpo. Joe sorria, com o seu maravilhoso e contagioso sorriso próprio, enquanto olhava pelo meu quarto.
    - Que estás aqui a fazer tão cedo? Uma pessoa já não pode descansar? – reclamei, observando-o. Ele olhava em redor no meu quarto, como se procurasse alguma coisa em especial.
    - Sim, era preciso vir cedo e não, comigo ninguém descansa – olhou-me e sorriu-me seriamente. Dirigiu-se a mim e sentou-se a meu lado, na cama, ficando colados. – Já devias saber disso, Candy – sussurrou ao meu ouvido ao mesmo tempo que se aconchegava a mim, para que ficássemos os dois confortáveis. Abraçámo-nos.
    - Adoro-te, sabias? – murmurei como se estivéssemos rodeados de gente.
    - Acho que já meio mundo sabe, Candy. – riu-se.
    - E isso não é bom sinal, Joe?
    - Queres mesmo saber? – olhei-o com um olhar ameaçador – É óptimo – fez um sorriso tão grande que os dentes brilhavam mais que nunca. 
    Pousei a cabeça no seu ombro. Fechei os olhos e sorri, sorri com mais felicidade de todas as vezes que já tinha sorrido.
    - Joe … - suspirei.
    - Diz.
    - Porque me sinto tão bem quando estás por perto e quando não estás comigo sinto-me despedaçada e vazia?
    - Isso terás de ser tu a descobrir. – sorriu calmamente.
    Levantei-me da cama e dirigi-me á varanda. Olhei para o rio que estava em frente de minha casa e suspirei sem fim. Baixei a cabeça, ficando com o queixo colado ao peito e o cabelo a tapar-me a cara. Uma lágrima brotou dos meus olhos, escorrendo pelo meu rosto suave e lenta.
    - Candyce… que se passa? – pousou as mãos sobre os meus ombros, encostando-se a mim.
    - Desculpa, Joe. Não se passa nada. – limpei as lágrimas que agora corriam sem parar como uma torneira aberta.
    Envolveu-me com os seus braços e apertou-me. O seu calor e a sua pele tocando na minha, fazia-me sorrir e chorar de felicidade. Estar com ele, deixa-ma realmente completa. Mas quando se tratava de o ver partir e estar longe de mim, ficava brutalmente infeliz e deprimida.
    - Não precisas de esconder o que sentes, comigo. Sabes que estou contigo para tudo, Candy – tentou reconfortar-me.
    - Ouve… - comecei – nós estamos bem agora, mas não sei se no futuro estaremos bem na mesma. É isso que me faz ficar tão frustrada – pronunciei cada palavra devagar e em bom som, para que não tivesse de o repetir de novo.
    - Claro que estarei sempre contigo! Que pensamento tão estúpido, Candy – sorriu e olhou-me nos olhos, dando-me as mãos. Queria soltar as minhas mãos das suas, mas ao mesmo tempo sentia-me bastante bem assim.
    - Não acho estúpido… apenas realista. 
    - Nós não prevemos o futuro….
    - Estás a ver?! E quem te garante que ficarás sempre a meu lado?! – gritei tão alto que as pessoas, que estavam na rua olharam para cima para procurar o ruído vindo do nada.
    - Hey, calma – disse em tom sereno – Tens razão, ninguém me garante. Mas somos nós que fazemos o nosso futuro, não todo, mas a maior parte. Confias em mim para dirigir um pouco do teu rumo ao futuro? – sorriu levemente sob o meu olhar.
    O seu sorriso era contagiante. Os meus olhos olharam os seus e estes sorriram-lhe, abraçando-o de seguida.
    - Tu és tudo, sabias?
    - Também me és demasiado, Candyce. – suspirou ao meu ouvido.
    - Joe – soltei-me dos seus braços – vais ter de me prometer que nunca, mas mesmo nunca, vais ficar longe de mim! Nem quero que te afastes um milímetro que seja, ouviste? - resmunguei com um tom de voz um tanto autoritária. Ele riu-se mostrando o esplêndido brilho dos seus dentes.
    - Com certeza, menina Cussler! Eu prometo-te. Nunca te vou deixar.
    - Palavra?
    - Sim, palavra de escuteiro – pronunciou, fazendo-me lembrar dos nossos tempos de escuteiros. – Agora, vai-te vestir – riu-se olhando para o pijama que tinha vestido.
    - Que piada – disse ironicamente – Estou mesmo a imaginar como dormes… de boxers e tronco nu, não? – virei-lhe as costas, dirigindo-me para o armário.
    Vesti algo rápido enquanto Joe ficava na varanda. Arranjei-me detalhadamente, mas depressa.
    - Vamos onde afinal? – perguntei, chegando-me perto dele.
    - Tu só me queres mal, não é?
    - Não! Que fiz, Joe? Que fiz? – interroguei assustada. Tentava fazer sempre tudo tão certinho para o Joe não se chatear comigo, o que poderia ter falhado desta vez?
    - Nada. Só acho que vais demasiado… arejada – riu-se.  
    - Desculpa. Eu vou mudar-me – corri para o armário e vesti umas calças com o mesmo top. Voltei para perto dele – Melhor? – sorri.
    - Sim, sim – riu-se. Pegou na minha mão e olhou-me nos olhos, encostando o seu nariz ao meu. – Estás sempre bem, Candy.
    - Obrigada – corei ligeiramente.
    O caminho era bastante longe, quando se ia a pé, para onde quer que fossemos. Ele deu-me a sua mão, ficando unidos por um doce toque. A sua mão estava quente, bastante quente, mas a sua pele era macia e acariciava a minha, mesmo que Joe não a mexesse. Estávamos perto do mar quando ele parou e respirou fundo.
    - Um passeio de barco não me pareceu nada mal. Gostas? – inquiriu, fixando o seu olhar em mim.
    - Isto… é… lindo! – balbuciei carregando suavemente em cada palavra.
    - Vens? Aluguei um só para nós.
    - Claro! – fiz um sorriso de orelha a orelha.
    Entrámos para o barco que Joe alugara e agarramo-nos num canto barco, deixando o motor guiar-nos. Encostei a cabeça ao seu pescoço e ele afagou-me o cabelo. Fechei olhos devagar, voltando a abri-los de seguida. Queria provar que era mesmo ele e aquele momento estava mesmo a acontecer. Senti o seu queixo pousar sobre a minha cabeça e, depois, os seus lábios roçarem nos meus cabelos.
    - Só tu me fazes sentir tão completa – confessei-lhe.
    - Ainda bem. Assim já não me trocas por qualquer um, pois não? – sorriu.
    - Estúpido! Nunca te iria trocar. E tu?
    - Eu? Tu serás sempre a minha pequenina, Candyce Cussler.
    - Tu adoras o meu nome, não é? – resmunguei.
    - Só porque é teu – levantou a minha cabeça e beijou-me a testa. Olhou em frente e encostou a sua cabeça á minha, colados como se fossemos siameses.
    Passei a mão pela água para entender a temperatura: estava gelada. Arrepiei-me e sacudi a mão, salpicando de água todos os lados.
    - Candyce! – gemeu.
    - Desculpa, foi de propósito! - brinquei.
    - Agora, amuei contigo – resmungou. Dirigiu-se ao motor e desligou-o com um suave movimento, mas uma grande turbulência no barco.  
    - Joe, não brinques – tentei acalmar-me, pensando na ideia que ele mudaria de ideias e não iríamos ficar ali.
    - Quem manda aqui agora, sou eu! – pôs-se sobre mim, como se fossemos dois felinos numa luta e ele estivesse a ganhar essa mesma batalha. – Estás sob as minhas ordens e terás de as cumprir. – disse com ar sedutor.
    - Olha que perco o controlo… e aí sim, tu não serás o mesmo Joseph Jonas!
    - Pronto, pronto. – desceu, deitando-se a meu lado e aconchegando-se a mim.
    Eram já vinte horas e o tempo escurecera bastante. Nem acreditava que tínhamos estado ali tanto tempo, parados no meio mar. Seguimos até terra, onde entrámos no carro de Joe, que me levou a casa. Entrámos pela porta e ele conduziu-me até ao meu quarto, mas sem antes passar pela Sr.ª Cussler.
    - Boa noite, Sr.ª Cussler – cumprimentou Joe.
    - Olá, Sr.ª Cussler – pronunciei igualmente.
    - Boa noite, meninos!
    Começámos a subir as escadas muito devagar, como se isso fizesse diferença do tempo naquele dia. Talvez assim, ficássemos mais tempo juntos.
    - Candyce, nunca me disseste uma coisa…
    - O quê?
    - Porque tratas a tua mãe por Sr.ª? – perguntou intrigado.
    Silenciei por uns momentos, ficando parada nas escadas e depois olhei-o com lágrimas a fervilharem-me nos olhos.
    - Ela… não é minha… mãe. – gaguejei entre lágrimas que escorregavam do meu rosto. – A minha morreu 8 meses depois de se divorciar do meu pai. Esta é minha madrasta. – limpei a cara, avançando mais um degrau das escadas.
    - Lamento, não sabia. E o teu pai? Nunca o vi.
    - Ele é militar. Está numa missão no Paquistão, não o vejo há mais de 4 meses. – Joe agarrou-me o braço puxando-me para baixo.
    - Ouve… estarei sempre contigo, minha pequenina. Adorar-te-ei para sempre, está bem? – sorriu-me.
   - Sim, obrigada. Adoro-te, até amanhã.
    Subi as escadas a correr, deixando Joe a meio. Fechei a porta do quarto brutalmente e agarrei na segunda fotografia que havia na minha cabeceira: a fotografia dos meus pais, no seu casamento. A seguir, peguei na fotografia de Joe e adormeci olhando para ambas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:54

Tudo aqui presente é da autoria de Dália Rodrigues. Plágio é crime. Just sayin'...


7 comentários

Sem imagem de perfil

De aninha a 31.01.2009 às 13:29

este capitulo foi grande :D o proximo pode ser de 10 paginas n pode?:D:D

eii ela foi dormir sem jantar?O.o
Sem imagem de perfil

De Ju a 31.01.2009 às 15:57

* Ju lê:
"- Boa noite, Sr.ª Cussler – cumprimentou Joe.
- Olá, Sr.ª Cussler – pronunciei igualmente.
- Boa noite, meninos! "
(...) no msn:
"Ju ® a little bit longer. diz:
na tua fic porque é que a gaja
Ju ® a little bit longer. diz:
chama Srª Cussler à mae ?"
(...) Ju lê:
"- Porque tratas a tua mãe por Sr.ª? – perguntou intrigado."
JU RI-SE FEITA MALUCA xD *
Sem imagem de perfil

De Ju a 31.01.2009 às 15:58

Mas vá, gostei do capitulo ! ^^
Tem coisas tristes, mas eu gosto de coisas tristes T-T
Quero mais agora! ^^
Beijinho@
Sem imagem de perfil

De DaNii'GiiRl a 01.02.2009 às 18:19

tau f0f0 nha pekeniinaaa =P =P

just kiddinG...

taaa sempeeeeee LINDO,

simpleSment pk TU, ES a MELHOOOOOOR !!


=D

kisS* «3
Sem imagem de perfil

De Carla Iero a 02.02.2009 às 15:16

Oh ta tao fofo amoreeeeee +.+

pq tem q chegar sempre ao fim ???? >.<

esse foi grande sim ! tava a gostar tantooo :DD

a maior parte triste mas lindoooo !!!

adoro a tua maneira como escreves ..

qero mais e mais :DD

Bewijinho <33
Sem imagem de perfil

De aninha a 04.02.2009 às 18:55

fim de semana anda ca que eu quero ler o resto :D
Sem imagem de perfil

De saragr a 06.02.2009 às 18:41

ADOREI.....
desculpa por demorar tanto , mas andei uma beca....(nem eu mesma sei)
curti bu esta super fixe

mais uma vex: SURPREENDESTEME BUE....

CONTINUA ASSIM TOU A CURTIR BUE DA FIC


kisss

Comentar post



sobre mim

foto do autor