Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


VWNHY - Cap. 11

por Dady, em 14.09.09

Hey.

Antes de mais nada, um enorme obrigada às novas leitoras:

Blumara, DCMoonlight, Daniela e Eloise.

Vocês contribuiram para a causa "Ego da Dady", por isso um enorme obrigada e este capítulo é vosso. (:

Esta fic está quase a acabar, depois tenho de perguntar o que querem que eu poste.

 

                                                                                                  Peace and kiss,

                                                                                                                 Dady.

_________________________________________________

 

 

    Charlotte acordou com os primeiros sinais do amanhecer, a entrar pela janela. Frank estava deitado de barriga para cima, com os braços a fazer de almofada, concentrado no tecto sujo do quarto.
    - No que estás a pensar? – perguntou ela, virando-se para ele e pousando o braço em cima barriga do rapaz.
    - Nem sei porque ainda perguntas. Tu já sabes a resposta. – disse aborrecido sem tirar os olhos do tecto quase a cair aos bocados.
    - Não sejas assim. Eu não tenho culpa! – saiu da cama e foi até ao lavatório, para lavar a cara. – Olha lá, porque é que tu nunca dormes? Tens insónias?
    Frank riu-se: Não, Charlotte, não tenho insónias. Os vampiros não dormem. – levantou-se também.
    - Que porcaria! Deve ser horrível passar 24h sempre acordado. Quer dizer, todos os dias acordado. Credo, que confusão! – ela despiu-se e entrou no duche, enquanto Frank se ria.
    Ele saiu, fechando a porta muito silenciosamente, e desceu até ao café, que ainda estava fechado ao público. Não estava ninguém no espaço do café; então, ele foi até à cozinha, para ver se conseguia algo para Charlotte comer.
    - Oh, bom dia, meu rapaz. – cumprimentou-o um homem de meia-idade, com o cabelo grisalho e a pele bastante enrugada, que mexia no grande forno com dezenas de tabuleiros.
    - Bom dia. – Frank avançou para apertar a mão ao homem, fazendo de conta que o conhecia, apesar de nunca o ter visto.
    - Ah, pois, desculpa. Deves ser um residente desta espelunca, não é? Bem, eu sou o filho dos donos disto. – sorriu. – Anthony Ustinov.
    Us… Ustinov? O pai…
    - E tu, rapaz? Como é que te chamas? – perguntou muito sorridente, tirando os tabuleiros cheios de bolos do forno.
    - F.. Frank. – respondeu rapidamente. Anthony colocou todos os bolos em tabuleiros muito arranjados e desligou o forno.
    - Frank quê? – olhou para Frank. – Espera… eu conheço a tua cara. És o… o cunhado do Christopher, não és? O irmão da linda Cassandra Iero. Nunca mais a vi… nem a ti, rapaz! Onde têm andado? – deu-lhe uma palmadinha nas costas, logo após tirar as luvas de cozinha.
    - Fo… fora do país. – engoliu em seco. – Posso levar um bolo? – tentou mudar de assunto.
    - Claro. – deu-lhe um bolo de arroz que ainda nem estava enrolado com o seu papel habitual. – Então e como estão os teus pais? Nunca mais falei com eles… e tens falado com o Chris? Oh, ele anda tão ausente…
    - Não, não tenho falado com ele… e os meus pais estão óptimos. Bem, agora tenho de levar isto lá a cima. – sorriu desajeitado e tentou desprender-se das mãos de Anthony.
    - Não te queres sentar ali um bocadinho comigo, filho? – empurrou-o para a frente, para uma mesa. Antes de Frank ter tempo para dizer alguma coisa, ele sentou-o e continuou a falar. – Queres que vá chamar a tua companhia, também?
    - Como é que sabe que estou acompanhado? – perguntou desconfiado.
    - Então, tu querias levar o bolo lá para cima e…
    Frank levantou-se e subiu rapidamente, pelo que Anthony não acabou a frase. Entrou e Charlotte já estava vestida, em frente ao espelho, a pentear-se. O vampiro agarrou a sua cintura, abriu a janela e deu um enorme salto para o telhado mais perto e afastou-se desta forma. Finalmente, parou num telhado cinzento com uma antena de televisão e uma chaminé que deitava fumo. Ele colocou-se no meio do fumo, para haver menos probabilidades de os verem e pousou Charlotte.
    - Que aconteceu, Frank?! Ainda tenho o coração a bater bastante acelerado!
    - Não podemos voltar à residencial. Os donos daquilo são os Ustinov, a família do Christopher. – explicou com a respiração ofegante.
    - E agora? Para onde vamos? – olhou em redor. – Frank… podemos sair daqui? Não sei se te disse… mas tenho vertigens. – disse a tremer, atirando-se para cima do rapaz.
    Ele sorriu e levou-a até ao chão, onde lhe deu a mão. Alguns segundos depois, Charlotte afastou as mãos, envergonhada.
    Frank bufou e olhou-a: Charlotte, eu tenho algo para te dizer…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:05

Tudo aqui presente é da autoria de Dália Rodrigues. Plágio é crime. Just sayin'...


4 comentários

Sem imagem de perfil

De daniela a 14.09.2009 às 16:36

ta bue fixe!!o ke sera k o frank tem ke dizer a charlote?!

posta depressa! bjx
Imagem de perfil

De Eloise a 14.09.2009 às 20:18

Que alhada man!
Quero saber o que acontece a seguir com eles, pra onde é que será que eles vão? Humm xD
Beijinhos.
Sem imagem de perfil

De Mudei-me. Tchauzinho. a 15.09.2009 às 21:28

Olá Querida =D
Obrigada plo cap :3
Ele está mesmo lindo *-* Para onde será que eles vão agora e o que será que ele lhe vai dizer ;o
Ansiosa pelo proximo. Beijos <3*
Sem imagem de perfil

De aninha a 20.09.2009 às 14:36

poxas... ta ali uma pessoa na boa a preparar-se e mal pisca os olhos ja ta a voar deve ser fixe :D

Comentar post



sobre mim

foto do autor